Oscar Gaspar: «Não basta avaliar a excelência clínica dos hospitais, é preciso informar devidamente o cidadão»

Oscar Gaspar: «Não basta avaliar a excelência clínica dos hospitais, é preciso informar devidamente o cidadão»

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) congratula-se com os dados do Sistema Nacional de Avaliação em Saúde (SINAS), divulgados ontem pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS) – que coloca hospitais com gestão privada entre os três melhores classificados e cinco no top 10 – mas alerta que esta avaliação não pode deixar de ser comunicada ao cidadão, para que este possa fazer escolhas informadas.

A APHP reitera o desafio para que o SINAS se revele um instrumento, cada vez mais rigoroso e fidedigno, na avaliação da performance dos prestadores e dos resultados em saúde. «Quando se defende “o cidadão no centro do sistema de saúde” tal passa pela gestão mais humanizada, pelo envolvimento dos cidadãos nas políticas de saúde e capacidade de escolha informada, nomeadamente em relação à excelência clínica. Avaliar a excelência clínica é importante, mas não basta. É preciso informar devidamente o cidadão, para que a avaliação tenha consequências. Caso contrário, estaremos apenas a fazer um ranking estático e administrativo. Não é isso que estará certamente no espírito da ERS», explica Oscar Gaspar, presidente da APHP.

Os resultados do SINAS confirmam e reforçam a conclusão sobre a excelência clínica dos hospitais privados. Para a APHP, a avaliação da ERS é uma prova de reconhecimento do investimento e do modelo de gestão dos hospitais privados.

Oscar Gaspar afirma que «é com satisfação que constata que cada vez mais os portugueses e as autoridades de saúde concluem que os hospitais privados são uma componente fundamental do sistema de saúde e dão um contributo significativo em termos de qualidade e atenção ao doente. Como fica evidente, a gestão privada também é muito positiva para o SNS. Num momento em que alguns apresentam preconceitos ideológicos, a melhor resposta que se pode dar é com factos e com o resultado da dedicação aos cuidados de saúde dos portugueses».

Partilhe

Deixe uma resposta