Notícias


7 de Abril | 2017

Hospitalização privada reforça posição no Sistema Português de Saúde 

Por ocasião do Dia Mundial da Saúde – 7 de abril – o INE apresenta a publicação anual das Estatísticas da Saúde relativas ao período 2005-2015, que permite concluir que, pela primeira vez na história do Sistema Português de Saúde, os hospitais com gestão privada (115) representam a maioria das unidades de saúde com internamento. 

De acordo com o destaque do INE, os factos mais relevantes do sistema português de saúde nos últimos anos foram: 

i)  A tendência de aumento do número de hospitais privados (de 91 em 2005, para 111 em 2015). Note-se, aliás, que dos 225 hospitais existentes em Portugal 115 têm gestão privada (111 são hospitais privados e 4 são públicos com gestão privada).

ii)  Aumento dos atendimentos nos serviços de urgência dos hospitais privados (+14,5% em relação a 2014);

iii)  Aumento do número de camas disponíveis para internamento nos hospitais privados (mais 880 face a 2014, um aumento de 8,5%);

iv)  A tendência de aumento das consultas médicas na unidade de consulta externa, sobretudo nos hospitais privados (cerca de mais 500 mil consultas do que em 2014, um acréscimo de 9,5%). 

Os dados estatísticos mais recentes demonstram que a hospitalização privada tem uma presença muito significativa no sistema português de saúde e são em número crescente os portugueses que confiam nos hospitais privados para os seus cuidados de saúde. 

Os hospitais privados têm feito um esforço contínuo de investimento em termos de expansão de rede, equipamentos inovadores e reforço da formação e investigação.  

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada tem o gosto de se associar às comemorações do Dia Mundial da Saúde com uma mensagem de reconhecimento e gratidão por todos os profissionais de saúde que, dia-a-dia, põem o seu esforço, saber e competência ao serviço da melhoria da prestação de cuidados de saúde aos portugueses. A APHP saúda, ao mesmo tempo, os hospitais privados pelo dinamismo manifestado.

CONSULTAS EXTERNAS

 

CAMAS DE INTERNAMENTO

 

URGÊNCIAS


23 de marco | 2017 | 9h30

APHP realiza Assembleia Geral

No próximo dia 23 de março, pelas 9h30, os associados da APHP reúnem-se em Assembleia-Geral, na sede da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), com a seguinte ordem de trabalhos: aprovação do relatório e contas de 2016, alteração do estatuto do associado observador e informações diversas. A documentação instrutória dos temas foi enviada a todos os associados por correio eletrónico.

Descarregar PDF


10 de Março | 2017 

Presidente da República recebeu representantes da hospitalização privada

 

O presidente da União Europeia de Hospitalização Privada (UEHP), Dr. Paul Garassus, e o presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), Óscar Gaspar, foram recebidos em audiência pelo Presidente da República, no dia 10 de Março de 2017.

Para além da apresentação de cumprimentos e felicitações pela celebração de um ano de mandato, houve a oportunidade de transmitir ao presidente Marcelo Rebelo de Sousa, quer a visão da hospitalização privada portuguesa e europeia, quer as dinâmicas de desenvolvimento do sector em Portugal e na Europa. Dez novos hospitais, €300 milhões de investimentos, 3000 postos de trabalho configuram a agenda da hospitalização privada portuguesa até 2020.

A audiência ocorreu num dia particularmente relevante para a hospitalização privada portuguesa, que acolhia, em Lisboa, os representantes de hospitais privados europeus de mais de 15 países, no âmbito da Assembleia-Geral da União Europeia de Hospitalização Privada (UEHP).


12 de Janeiro | 2017

Assembleia Geral

Preparar os alicerces do futuro

 


A senhora dona Maria Eugénia Faria atenta a todos os pormenores das
III Jornadas de Hospitalização Privada que se realizaram em 2009.

 

No passado dia 12 de Janeiro, a APHP realizou, na sede da CIP, mais uma Assembleia Geral ordinária, que permitiu aprovar um novo regime de quotização, bem como um orçamento em harmonia com o plano de atividades para o exercício de 2017, que visa colocar a APHP na «primeira linha das discussões sobre política de saúde» e induzir «um reforço da coesão interna».

Antes das votações, porém, o presidente teve a oportunidade de esclarecer, ponto por ponto, os documentos submetidos à apreciação dos associados e previamente enviados para conhecimento e análise. Começou por reconhecer que a hospitalização privada «enfrenta diversos desafios», mas a confirmada excelência na prestação de cuidados, a flexibilidade de gestão, a capacidade e vontade de investir e a liberdade de escolha que concede ao cidadão «permitem-lhe encarar o futuro de forma sustentável e ser considerada, quer um parceiro efetivo do SNS, quer um pilar do Sistema de Saúde Português». Para o presidente da APHP, se até o Estado reconhece que, «fazemos mais com menos», que o hospital privado poupa 25% em relação ao público, não há razão para impedir o cidadão de fazer a sua escolha.

Após algumas explicações suscitados pelos associados, recordou ainda que a lei da obrigatoriedade de licenciamento de todas as unidades de saúde continua a ser cumprida apenas pelos hospitais privados, realizou um ponto da situação das negociações em curso com a ADSE e revelou a intenção de constituir, a curto prazo, uma Comissão Técnica, integrada por representantes dos associados, que dinamize as relações com os subsistemas públicos de saúde e pugne pelo estabelecimento de regras claras, justas e estáveis. O presidente da APHP terminou a sua intervenção com a solicitação de um voto de louvor, que mereceu unanimidade, à senhora dona Maria Eugénia Faria, colaboradora que se aposentará no final de Janeiro de 2017.

A Secretária-Geral, Dr.ª Ana Machado, teve também oportunidade de informar os associados sobre o diálogo mantido, nos últimos meses, quer com a FESHAT, quer com outras estruturas sindicais.


13 de Outubro | 2017

Novos órgãos sociais

A APHP tem novos órgãos sociais, eleitos por unanimidade, a 13 de outubro de 2016, em Assembleia-Geral participada por perto de 80% dos associados. A direção passa a ser presidida pelo economista Óscar Gaspar, que foi Secretário de Estado da Saúde do XVIII Governo Constitucional.

Carlos Alcântara (Casa de Saúde Senhor da Serra, Lda), João Novais (Hospital da Luz, SA), João Martins (Lusíadas, SA) e João Bacalhau (Hospital Particular do Algarve, SA) são os vogais que transitam da anterior direção. João Estevão (Hospital Privado da Trofa, SA) e Guilherme Magalhães (Hospital CUF Infante Santo, SA) são os novos membros cooptados. 

Parecer da ERS