Um sistema de saúde mais forte

 

A hospitalização privada portuguesa está a dar passos para se afirmar (ainda) mais em termos institucionais e no âmbito do sistema português de saúde.

 

A APHP tem por objetivo trabalhar com os stakeholders do setor para se evoluir naquilo que é a agenda relevante para a hospitalização privada e para o sistema português de saúde.

 

Internamente, o ano de 2017 começará praticamente com a Assembleia Geral da APHP. Esperamos que seja um ano intenso, na discussão pública de temas como a liberdade de acesso, o licenciamento, as relações entre o setor público e o setor privado da saúde, entre outros, ao mesmo tempo que tomaremos as medidas possíveis para ultrapassar obstáculos à atividade da hospitalização privada, como sejam o atraso de pagamentos, as decisões administrativas discriminatórias para os operadores privados e constrangimentos laborais numa área de grande especificidade.

 

A hospitalização privada continua a investir em Portugal e, se mais não fosse, pelo menos o argumento da eficiência, aliado à excelência da prestação de cuidados de saúde, deveriam ser fatores decisivos para que as autoridades e os cidadãos encontrem nos operadores privados resposta para alguns problemas da saúde no nosso país.

 

Os dados publicados em novembro sobre o desempenho das PPP da saúde, em linha com os dados públicos disponibilizados pela ACSS e os prémios entregues pela IASIST são apenas os exemplos mais recentes de que hospitais privados são sinónimo de qualidade e eficiência.

 

Na frente internacional, tenho o gosto de informar que a UEHP fará a sua próxima Assembleia Geral em Portugal. Esta escolha reforça a posição de Portugal na geopolítica de saúde e é o reconhecimento do dinamismo da hospitalização privada em Portugal.

 

Juntos, estamos a construir um sistema de saúde mais forte.

 

Votos de um 2017 pleno de realizações de sucesso e felicidade.

Óscar Gaspar