Atividade pós-confinamento revela confiança dos portugueses nos hospitais privados

Atividade pós-confinamento revela confiança dos portugueses nos hospitais privados

Após a quebra natural de atividade durante o estado de Emergência – motivada, quer pelas orientações da DGS para adiar consultas de especialidade e cirurgias não urgentes e encerrar atividades como a medicina dentária, quer pelo confinamento – os cuidados de saúde prestados nos hospitais privados conheceram uma retoma gradual a partir do mês de maio, com o mês de julho a aproximar-se dos indicadores registados antes da pandemia.

Com base em informação recolhida junto de operadores, é possível traçar a evolução da atividade dos hospitais privados até ao final do mês de agosto:

«Os hospitais privados garantiram sempre a assistência a todos os doentes. Após o fim do estado de Emergência, os cidadãos têm voltado aos hospitais privados. Pela informação recolhida junto de Associados, é possível afirmar que no final de julho houve uma recuperação muito significativa em termos de consultas de especialidade. Nota-se, no entanto, ainda uma quebra da ordem dos 50% nos episódios de urgência», comenta Oscar Gaspar, presidente da APHP.

No caso das cirurgias, os hospitais privados têm realizado um esforço suplementar para efetuar não só os atos normais, mas também para recuperar atividade que não pôde ser realizada nos meses anteriores. «Com uma correta gestão das equipas e otimização dos blocos, mesmo aos fins de semana, tem havido uma forte recuperação da atividade cirúrgica, ao nível do que existia em 2019», explica Oscar Gaspar.

Os hospitais privados estão de portas abertas para as necessidades de saúde e, assegura, «podemos dizer que os portugueses estão a corresponder e a demonstrar confiança em nós».

Os hospitais privados estão a funcionar em pleno para dar resposta integral a quem os procura e, no atual contexto, «é mesmo fundamental que as pessoas continuem a cuidar da sua saúde, que não tenham receio de ir ao hospital». Para dissipar receios dos portugueses, a APHP dinamizou, inclusive, uma carta-compromisso, exposta em todas as unidades dos associados, na qual se apresentam seis medidas dos hospitais privados para garantir a segurança dos procedimentos clínicos na atual conjuntura de pandemia.

Partilhe

Deixe uma resposta