APHP adere à CIP

APHP adere à CIP

Considerando que a integração numa confederação patronal reforça o seu networking político, bem como a notoriedade da hospitalização privada, a APHP aderiu, no final de 2016, à Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

Para a direção da APHP, a participação numa confederação patronal, que também é um parceiro social, é um reforço estratégico da componente de “policy” da hospitalização privada: «Estando mais presente, participando nas discussões, tendo como interlocutores membros do Governo e intervir num “chapéu” mais amplo e institucional será importante para “defender regras claras de mercado”, “ver reconhecida a hospitalização privada como parceiro do SNS” e, em caso algum, ser esquecida na tomada de decisões (políticas) que digam respeito à Saúde».

Por outro lado, mais stakeholders e potencial procura, individual ou institucional, estarão expostos à mensagem e agenda da hospitalização privada, com possibilidade de cada vez mais a hospitalização privada ser a opção escolhida por critérios de acessibilidade e qualidade por quem necessita de cuidados de saúde.

Com esta adesão, a APHP passou a integrar, de imediato, o Conselho Estratégico Nacional da Saúde, um órgão consultivo da CIP que reúne, desde março de 2015, as principais federações e associações do setor da Saúde em Portugal.

Em termos internacionais, a CIP integra a Business Europe, a OIE – International Organization of Employers e o BIAC, o Business and Industry Advisory Committee para a OCDE.

SUGESTÕES ESTRATÉGICAS PARA A SAÚDE
No âmbito do Conselho Estratégico Nacional da Saúde da CIP, a APHP teve já a oportunidade de intervir publicamente, quer para reivindicar uma isenção, entretanto obtida, do adicional ao IMI, quer para, mais recentemente, sugerir uma Lei de Meios do SNS («O inadiável reforço da Saúde», in Público). Esta reforma para a sustentabilidade financeira do SNS passaria pela adoção de uma lei que garanta plurianualidade e previsibilidade ao financiamento do SNS.

Partilhe

Deixe uma resposta