A comunicação é crucial em contexto de pandemia

A comunicação é crucial em contexto de pandemia

No dia 17 de novembro, na Universidade do Minho, especialistas em Comunicação, assessores de imprensa e investigadores reuniram-se no arranque das Jornadas “Pandemia e Comunicação”. No evento, esteve em discussão a importância da Comunicação Estratégica em contexto de pandemia.

Diana Mendes, chefe de divisão de Comunicação e RP da Direção-Geral de Saúde, reconheceu as dificuldades em gerir o equilíbrio entre a tranquilidade necessária à Comunicação do Risco e a ausência de conhecimento que marcou o início desta crise pandémica. Quase dois anos após o aparecimento do SARS-CoV-2, a profissional de Comunicação admite que muitos dos desafios sentidos em 2020 se mantêm, e passam, por exemplo, pela ausência ou multiplicação de porta-vozes ou pela dificuldade de avaliação das campanhas comunicacionais promovidas.

Rui Neves Moreira, assessor do Centro Hospitalar Universitário do Porto, recordou os momentos-chave da pandemia do ponto de vista da Comunicação da sua instituição, sublinhando o aumento da presença mediática do Hospital de São João.

Pela Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), Nelson Soares destacou a importância deste setor no panorama nacional – relembrou que o número de hospitais privados, que têm um contributo significativo para o sistema, já ultrapassa o de hospitais públicos – bem como o novo paradigma de comunicação com o cidadão, iniciado pela associação, e os desafios reputacionais induzidos pela excessiva politização da saúde em contexto pandémico.

Romana Borja-Santos, assessora de Comunicação do Bastonário da Ordem dos Médicos, recordou a criação do Gabinete de Crise, em janeiro de 2020, como um momento importante na gestão da comunicação da pandemia. Foi a partir daqui que foi possível, segundo esta profissional, diversificar porta-vozes.

Tiago Durães, gestor de Marketing e Comunicação no grupo Lusíadas Saúde, notou ainda a importância de alertar a população para a necessidade de prevenção da doença e promoção da saúde, uma preocupação que foi tendo na gestão de comunicação da instituição que representa.

Catherine Pereira, assessora de Comunicação do Hospital de Braga, notou a falta de investimento em recursos humanos na área da Comunicação.

Esta iniciativa foi a primeira de um ciclo de cinco jornadas, sendo a próxima no dia 26 de janeiro de 2022, no CINTESIS/Universidade do Porto, sobre o olhar dos jornalistas.

A Comissão Organizadora, que pretende criar grupos de discussão regulares de âmbito nacional, é composta por Felisbela Lopes e Rita Araújo (CECS/Universidade do Minho), Olga Estrela Magalhães (CINTESIS/Faculdade de Medicina da Universidade do Porto), Clara Almeida Santos e Ana Teresa Peixinho (CEIS20/Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) e Catarina Duff Burnay (CECC/Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa).

Partilhe

Deixe uma resposta